domingo, 11 de outubro de 2015

As lágrimas precisam queimar o rosto

 
 
O Diário de Annabel Além

- estou presa no fio do abismo, disse ela sorrateiramente… -



Eu, Annabel Além, preciso das minhas lágrimas. Preciso senti-las quentes a percorrerem o rosto. Sentir os lábios ardidos e salgados. Eu preciso das minhas lágrimas. Secá-las no lenço. Preciso chorar a intensidade dos amores, as alegrias das belezas, as dores de saber tudo transitório. Preciso chorar a intensidade da perca, a emoção do encontro. Sou água de lágrima, mar por dentro. Preciso chorar intensamente e rugir selvaticamente. A dor é qualquer coisa indescritível. Nunca saberemos quando a dor de uma Alma ou de um Coração vai embora! Nunca, nunca o saberemos!!
Preciso gritar, ‘’ninguém, nada tem o direito de matar o amor no coração de um ser?! NINGUÉM, NINGUÉM!! ‘‘. Que ardas na fogueira, a sentença que me colocaste sobre o peito. Feriste-me o espírito, velha maldita!! Inutilizaste a ferramenta número 1, a mais poderosa de todas, a que move fundos e mundos; montanhas e céus. Tentaste roubar, invejosa; ousaste sugar, maldita sejas. Separaste e ousaste dizer aquela barbaridade! Disseste, ‘’vai e mata pela tua salvação!’’. Que crueldade te habitou a esse ponto, para instruíres uma criança a praticar tal acto?? Como entrou tudo isso no teu coração? Como tiveste a coragem de vociferar tantos horrores àquela criança?
Eu, Annabel Além, preciso chorar, as lágrimas. As lágrimas precisam queimar o rosto para desfazer-se da visão desse castigo. Preciso de Lágrimas para secar a culpa que não existe e nunca existiu de facto. Na prisão está uma condenada por um crime que não praticou. Não consegue recorrer da sentença e nem provar a inocência. Demasiados juízes têm a criança amarrada. Ela tem 2 anos. Chamo-me Annabel Além.

NãoSouEuéaOutra in '' Diários Compostos de Figuras Humanas sem voz

Sem comentários:

Enviar um comentário